Primeiras críticas do Blurryface revelam detalhes sobre o álbum

Com o dia do lançamento do novo álbum cada vez mais próximo, críticos musicais começaram a divulgar suas impressões na mídia. No dia 29, um tópico foi aberto no fórum oficial do twenty one pilots do site Reddit pelo usuário GoodbyeSpareTime, um crítico verificado. GST respondeu a dezenas de perguntas feitas pelos fãs da banda. Hoje, com o lançamento da edição de maio da Alternative Press, pudemos ler também a crítica de Jason Pettigrew, com o título “Pop de pia de cozinha”. Leia a tradução do que ele escreveu na revista e, em seguida, confira todas as informações divulgadas no Reddit por GST.

(Se você não quiser spoilers sobre o álbum, siga com cuidado!)

Twenty One Pilots / Blurryface – Nota: 4.5/5

Para o sucessor do Vessel, lançado em 2013, os multidirecionais príncipes do pop do twenty one pilots aprimoraram tudo, desde novas influências e o número de produtores (quatro) até as toneladas de incertezas e medos se multiplicando no crânio do frontman/compositor Tyler Joseph. E está maravilhoso. Grande parte do Blurryface está costurada por expressões de reggae (“Ride”, “Polarize”, “Message Man”) que funcionam bem com o estilo de rap desprendido de Joseph e a destreza rítmica do baterista Josh Dun. Mas isso é só uma parte do todo: “Tear In My Heart” é uma música Foldsiana carregada de piano professando grande amor através da imagética de um filme de terror gore (“Ela é uma entalhadora/Ela é uma açougueira com um sorriso”); a arrasadora “We Don’t Believe What’s On T.V.” carregada com dois ukuleles é onde o pessoal encontra o político e a catártica “Goner” faz parecer que Tyler está preso em rochas no oceano, aguardando a última e esmagadora onda. “Não confie em uma pessoa perfeita e não confie em uma canção que não possui defeitos”, ele alerta na furiosa reggae/jungle/dusbtep híbrida “Lane Boy”. E ele está absolutamente correto; arte fina raramente é feita por pessoas normais.”

A primeira pergunta respondida por GST no Reddit foi sobre a participação de Zack Joseph, irmão de Tyler, no álbum. Um fã queria saber se ele faria um novo rap, assim como fez em “Kitchen Sink”. GST disse que não identificou a voz de outra pessoa além da de Tyler, mas que talvez tenha deixado algo passar. No mesmo comentário, GST disse que a demo tocada por Tyler no fim da entrevista com Matt Pinfield, postada no YouTube em dezembro de 2013, é da faixa “Doubt” e que os versos do vídeo Street Poetry foram usados na primeira faixa, “Heavydirtysoul”.

GST disse que seremos e não seremos surpreendidos ao mesmo tempo. Muitas vezes nos sentiremos “uou, eu não estava esperando por isso!”, mas logo depois nos daremos conta que tudo faz sentido. Os três primeiros singles somados representariam apenas um terço do álbum, e que ele começa de um jeito, depois muda para outro, depois outro…

O ukulele está presente em “The Judge” e “We Don’t Believe What’s On TV” e é fantástico. O baixo é um instrumento muito utilizado no álbum. “Goner” é, ao mesmo tempo, a música mais feliz e triste. Tirando essa, a mais feliz é “Tear In My Heart”. Mas não há músicas realmente tristes, pois é um álbum sobre triunfo. GST disse que dançou ao som de Blurryface, mas não tanto como com o Vessel. “The Judge”, “Tear In My Heart” e “Lane Boy” farão muitas pessoas levantarem e saírem dançando.

Sobre os efeitos, GST disse que, no total, a voz distorcida pode ser ouvida em mais 2 faixas além de “Fairly Local” e “Stressed Out”. GST não notou mudanças de ritmo repentinas como as de Ode To Sleep em uma só faixa, mas que há uma mistura muito grande no álbum em geral. Também opinou que “The Judge” trará a maior empolgação ao ser cantada ao vivo, enquanto “We Don’t Believe What’s On TV” fará todos dançarem.

Quanto ao tom das músicas, GST disse que existe um equilíbrio entre o lado bom e o lado mau, e que a batalha entre Tyler e Blurryface é bastante perceptível. GST acredita que “Stressed Out” possui a melhor letra, mas que as letras em geral são fantásticas. Algumas faixas têm letras que levarão tempo para serem totalmente entendidas, pois são muito inteligentes e enigmáticas.

GST classificou os vocais de Tyler como 70% melódico e 30% rap e disse que ele grita em diversas ocasiões. Sobre o rap, disse que “Not Today”, “We Don’t Believe What’s On TV” e “Goner” não possuem rap. “The Judge”, “Doubt”, “Hometown” e “Polarize” têm versos de semi-rap. “Heavydirtysoul”, “Ride”, “Lane Boy” e “Message Man” têm rap muito bem feito. E em uma escala de 1 a 10, disse que daria ao álbum uma nota entre 8,5 e 9,5.

Comentários sobre cada faixa:

Heavydirtysoul: Batidas de break e rap rápido. Em algumas partes, muito mais rápido do que em “Ode To Sleep”. Será destruidora só pelo fato de ser tão rápida como é. Também é a faixa onde a bateria tem o maior destaque.

Stressed Out: A música que mais reflete a totalidade do álbum.

Ride: Se fosse fazer uma comparação bastante livre, seria algo como uma mistura de “The Run and Go” com “Screen”.

Fairly Local: É a faixa com as batidas eletrônicas mais lentas e intensas do álbum.

Tear In My Heart: GST não fez comentários novos sobre a música.

Lane Boy: Tem uma parte synth que quase soa como um violino. A letra te captura muito rápido e não vai demorar muito para você começar a cantar. O instrumental que mais surpreendeu GST, contando com muitos instrumentos diferentes.

The Judge: O trecho de ukulele mais feliz que você vai ouvir na vida e um falsete arrasador. É a favorita de GST, que acredita que a faixa será a favorita do público. É a maior faixa e “se não durasse quase 5 minutos, acho que ela poderia ser um single.” Tem o nível de diversão de Migraine e é a faixa mais animada no álbum.

Doubt: Sobre essa, GST apenas comentou o fato de parecer ser uma versão melhorada da demo apresentada na entrevista com Matt Pinfield.

Polarize: É bastante sólida. Fala sobre a relação de Tyler com a família e amigos, com uma batida rápida e instrumental synth. GST também disse que a faixa tem “alguns versos em espanhol, eu acho!”

We Don’t Believe Whats On TV: Josh toca trompete na faixa. O som do trompete é sutil, mas efetivo. A batida é rápida e bem doce. É a faixa mais curta, com 2 minutos e 57 segundos de duração.

Message Man: Conta com muito synth pop, mas é muito singular para ser possível explicá-la. Os vocais são uma mistura de melódicos com rap.

Hometown: Trata a cidade natal deles como algo que deixaram para trás para seguir em frente, com um tom bastante negativo. “Where we’re from / there’s no sun / our hometown’s in the dark” (De onde viemos / não há sol / nossa cidade natal está nas trevas). O instrumental, entretanto, é bem pop.

Not Today: A menos favorita de GST, mas não significa que não seja boa. Representa um grande papel na construção do álbum e tem um significado muito forte.

Goner: O único instrumento utilizado na faixa é o piano. GST a descreveu como “linda”. Tem 3 minutos e 56 segundos de duração. Muito emocional, mas bem direta. É o equivalente emocional a “Trees” e a faixa musicalmente mais similar a “Truce”.

No geral, GST disse que Blurryface é um álbum incrível, ainda melhor que Vessel e que representa uma evolução para a banda em muitos níveis diferentes, mas que não é um álbum conceitual, como “The Wall”, da banda Pink Floyd. GST comparou a coesão do álbum com a do “AM”, do Arctic Monkeys, no sentido de que todas as músicas são reconhecíveis separadamente e, juntas, formam um álbum perfeitamente.

GST também falou sobre como o álbum tem enorme potencial musical para aumentar o reconhecimento da banda, e que o único problema é que as pessoas não param para pensar e entender o conceito por trás de toda a história. GST disse que os fãs não ficarão desapontados com o resulto final de Blurryface. Com tantas informações, certamente mal podemos esperar pelo lançamento do álbum.

ps. Blurryface não vence.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *