Processo de criação do vinil ‘Blurryface Live’ por Brandon Rike

Publicado por Kaline Linhares - Arquivada em 2016

Em novembro de 2016, twenty one pilots lançou o vinil ‘Blurryface Live’. Brandon Rike, diretor de arte, responsável também pelo design do álbum Blurryface e do EP TOPXMM, detalhou suas ideias por trás da criação dos 3 discos em vinil no Medium. Confira a tradução na íntegra:

Tradução: Rebeca Hikari


Após assistir os meus amigos do twenty one pilots levarem para casa o Grammy de Melhor Performance Pop em Duo/Grupo pela sua música “Stressed Out” enquanto humildemente (e sem calças) refletiam sobre a longa e esperançosa estrada que os levou até lá, eu não consegui evitar sentar com tremenda gratidão por poder ser o diretor de arte deles durante esta louca jornada.

A carga de trabalho tem sido constante e feroz. Desde a criação do design da turnê da banda até camisetas e acessórios, eu me desafiei a não apenas trabalhar como uma máquina, mas também a aplicar método e reflexão por trás de tudo — fazendo o meu melhor para que nada saia sem ser pensado.

Eu fui encarregado de criar a embalagem para o pacote de 3 discos em vinil do álbum ao vivo deles. A ideia de criar uma embalagem que pudesse se comparar à experiência que esses caras criam em seus shows era bastante assustadora. A performance deles é maior que a vida, e embalagem alguma poderia se comparar.

Então, eu tinha alguns critérios para o que eu queria fazer. Primeiro, eu queria chamar mais atenção para a incrível fotografia de Brad Heaton e Mark Eshleman. Esses caras capturam a banda tão lindamente que seria uma pena não deixar suas fotos tomarem o palco principal.

A outra regra era fazer com que a experiência de abertura do pacote fosse de construção e descoberta. Após vários conceitos de capa, em sua maior parte usando uma imagem forte para mostrar a experiência ao vivo, eu pensei que algo discreto e calmo poderia ser a escolha mais interessante.

“Opções de capa exploradas.”

Comece simples e deixe que os olhos do usuário se arregalem ao abrir o pacote. A capa foi propositalmente sutil e enganosa. Apenas dois caras em um palco simples tocando músicas simples. Nada demais. A contracapa: apenas um cara caído morto no palco. Então, alguma coisa deve ter acontecido entre o ponto A e B.

Em grande contraste com a capa, sua primeira abertura é cheia de confete, com os meninos performando sua legendária e épica acrobacia com a bateria sobre a plateia.

Uma das ideias que eu e Mark Eshleman tivemos ao discutir o layout foi ter uma pequena bomba atirando confete no rosto de quem abrisse o pacote. Acredite ou não, não fomos capazes de fazer isso acontecer, mas isso levou a nossa ideia de usar o áudio no estilo de cartão de saudação enquanto o painel é aberto.

Eu mudei do meu programa de design para o meu programa de edição de áudio. O Mark tem toneladas de filmagens antigas da banda. Uma das quais foi de quando o Tyler estava dirigindo a van, nos tempos antigos, falando sobre o baterista que tinha acabado de se juntar à banda (Josh) e a frustração de serem uma banda tão pequena.

“Nós temos um novo baterista, o nome dele é Josh. Nós precisamos explicar tudo para ele e nos certificar que está tudo certo. É meio frustrante — nós somos muito pequenos. Somos tão insignificantes como uma banda agora…”

Eu misturei esse áudio com um áudio novo de uma arena lotada cantando “T.O.P” e terminei com a despedida clássica do Tyler:

“Nós somos twenty one pilots e você também.”

Partindo de começos humildes e frustrados, esta banda se tornou a maior banda de 2016. Sempre que temos a chance, nós do Acampamento do TØP tentamos trazer à tona o ciclo completo — gratos por onde a banda está, lembrando de onde eles vieram, e o caminho que os trouxe até aqui.

Então as 3 painéis se abrem com “Nós somos o twenty one pilots e você também” escrito à mão sobre uma imagem cativante dos dois caras encarando o mar de fãs apaixonados. Extraordinário. Gratificante.

A descoberta adicional vem ao retirar os discos. Mais fotos cativantes dos meninos, divididas entre os 3 membros da banda — Tyler, Josh e os fãs, carinhosamente conhecidos como Skeletøn Clique e FPE (Few, Proud, Emotional / Poucos, Orgulhosos, Emocionais).

“Todos os 3 discos, frente e verso. Josh, fãs, Tyler.”

Eu escolhi fazer os discos com fotos também — simplesmente porque eu tinha centenas de fotos para usar e queria usar todas que pudesse. Em adição às fotos nos discos, o rótulo gráfico interno pôde ser parte do disco, ao contrário de um adesivo aplicado, o que foi mais um motivo para fazer tudo com fotos.

“Rótulo do disco.”

“Partes completas de todo o layout (com conceitos mais antigos para rótulos da gravadora).”

Se não isso, eu quero que o layout seja divertido na hora de abrir. Eu quero que seja algo sobre o qual os fãs possam ficar animados. Esses fãs são uma parte tão grande desse movimento que se eu pudesse fazê-los lembrar do show, mesmo que apenas um pouco, acredito que eles podem ser transportados e instantaneamente exaltados. Acredito que se o design é feito com cuidado, ele pode fazer as pessoas sentirem algo forte. Essa base de fãs merece isso.


Leia também:


Todas as imagens do ‘Blurryface Live Vinyl’ estão na nossa galeria: mutantkids.com.br/galeria

Você pode assistir ao especial Blurryface Live em HD no YouTube. O show exibido na TV foi editado e tem 10 das 18 músicas. Nossa playlist de shows completos tem outros que você também pode querer assistir!


Acompanhe-nos também nas redes sociais:

• Facebook: facebook.com/mutantkidsbr
• Twitter: twitter.com/mutantkidsbr
• Instagram: instagram.com/mutantkidsbrasil
• Canal no YouTube: youtube.com/c/mutantkidsbrasil
• Galeria de fotos: mutantkids.com.br/galeria
• Grupo de fãs no Facebook: facebook.com/groups/mutantkidsbrasil

Comunicado

Por decisão unânime, a equipe da Mutant Kids Brasil decidiu dar uma pausa indeterminada nas atividades do portal.

No dia 02 de setembro de 2020, Tyler Joseph demonstrou indiferença a causas sociais que são importantes para nós e por isso não nos sentimos mais confortáveis em continuar o nosso trabalho de cobrir a banda twenty one pilots.

Depois de meses recebendo mensagens de fãs pedindo que ele se posicionasse em suas plataformas digitais em relação a tópicos importantes, como o movimento Vidas Negras Importam nos EUA e a crescente onda de homofobia na Europa, Tyler publicou uma foto usando tênis de plataforma (salto) como piada, dizendo que estava sim usando sua plataforma.

Horas depois de causar controvérsia, ele começou a falar sobre saúde mental, dizendo que é essa a sua causa, e que ele já carrega peso demais, mas que admira quem batalha por outras causas.

Não é a primeira vez que ele diz algo assim. Em 2016, quando o casamento homoafetivo foi enfim legalizado nos EUA (país onde Tyler mora), ele ficou em silêncio. Ao ser perguntado sobre o que ele achava, Tyler publicou uma mensagem dizendo que não havia postado sobre isso porque "qualquer outra causa, não importa o quão nobre seja, torna-se um peso grande demais para carregar". Ele pediu paciência até que um dia ele "consiga carregar mais peso".

Isso nos leva a concluir que Tyler ainda não aprendeu a carregar o "peso" que nós somos, 4 anos depois. Não sabemos se faz sentido dedicar nosso tempo e energia a alguém que nos enxerga desta forma. A impressão que temos é que as nossas batalhas não são as mesmas, como ele dizia. E isso nos magoa.

Não achamos que todas as celebridades são obrigadas a se posicionar sobre tudo. Mas acreditamos que as pautas sobre identidade estão diretamente ligadas à saúde mental, base sobre a qual a banda construiu sua carreira. Tyler mencionou dados sobre depressão e suicídio, por exemplo, mas ele não olha mais fundo na questão. Há diversos estudos que relacionam esses males ao preconceito que pessoas negras e LGBTQ+ sofrem. É preciso enxergar os fãs.

Não estamos publicando esse texto como uma tentativa de convencer vocês a pensarem como nós. Assim como muitos defendem a opção de Tyler de não se pronunciar, esperamos que entendam a nossa perspectiva. Nossa equipe é e sempre foi diversa, com contribuição de pessoas de diferentes estados, grupos sociais, gêneros, sexualidade, religião e posicionamento político. Infelizmente, não nos sentimentos tão acolhidos pela banda como antigamente, e assim como diversos outros portais pelo mundo estamos tomando essa decisão.

O site, as redes sociais e o canal no YouTube continuarão no ar para quem quiser conferir o conteúdo que publicamos sobre a banda desde 2014.

Holler Box
%d blogueiros gostam disto: