Novas músicas registradas pelo twenty one pilots

Publicado por Kaline Linhares - Arquivada em 2018

Nessa quinta-feira, 28, a conta @DiscordClique descobriu que duas novas músicas tinham sido registradas pela banda na base de dados da PPL Repertoire, um companhia de direitos autorais, onde apenas os artistas ou sua gravadora podem registrar novas músicas. As canções se chamam “Nico and The Niners” e “Jumpsuit”.

“Nico and The Niners” faz referência ao enigma escondido no site Dema e “Jumpsuit” parece se referir aos macacões que a banda usava em alguns shows mais antigos, mas só teremos certeza se e quando as músicas forem lançadas.

Cada faixa tem uma identificação diferente, o código ISRC. Hoje, o nome do artista e das faixas correspondente aos códigos foram mudados. O artista agora é “ROZ” e as faixas vão de “Track 1” a “Track 4”. Como os ISRCs continuam os mesmos, as faixas Track 1 e 2 corresponde a “Jumpsuit” e Track 3 e 4 a “Nico and The Niners”.

A mesma coisa aconteceu recentemente com a banda Panic! At The Disco, da mesma gravadora: eles registraram as músicas “Say Amen” e “(Fuck A) Silver Lining” no site e, quando os fãs perceberam, mudaram os nomes para “Track 1” e “Track 2”. As músicas foram lançadas pouco tempo depois.

Além disso, uma fã ouviu os apresentadores da rádio americana Alt 106.7 anunciarem que teremos música nova do twenty one pilots “muito, muito em breve”. Eles disseram que os representantes da banda só puderam dizer isso.


LEIA TAMBÉM: Novo mistério no site do twenty one pilots


Acompanhe a MKBR para mais novidades!

• Facebook
• Twitter
• Instagram
• Canal no YouTube 
• Galeria de fotos
• Grupo de fãs no Facebook

Comunicado

Por decisão unânime, a equipe da Mutant Kids Brasil decidiu dar uma pausa indeterminada nas atividades do portal.

No dia 02 de setembro de 2020, Tyler Joseph demonstrou indiferença a causas sociais que são importantes para nós e por isso não nos sentimos mais confortáveis em continuar o nosso trabalho de cobrir a banda twenty one pilots.

Depois de meses recebendo mensagens de fãs pedindo que ele se posicionasse em suas plataformas digitais em relação a tópicos importantes, como o movimento Vidas Negras Importam nos EUA e a crescente onda de homofobia na Europa, Tyler publicou uma foto usando tênis de plataforma (salto) como piada, dizendo que estava sim usando sua plataforma.

Horas depois de causar controvérsia, ele começou a falar sobre saúde mental, dizendo que é essa a sua causa, e que ele já carrega peso demais, mas que admira quem batalha por outras causas.

Não é a primeira vez que ele diz algo assim. Em 2016, quando o casamento homoafetivo foi enfim legalizado nos EUA (país onde Tyler mora), ele ficou em silêncio. Ao ser perguntado sobre o que ele achava, Tyler publicou uma mensagem dizendo que não havia postado sobre isso porque "qualquer outra causa, não importa o quão nobre seja, torna-se um peso grande demais para carregar". Ele pediu paciência até que um dia ele "consiga carregar mais peso".

Isso nos leva a concluir que Tyler ainda não aprendeu a carregar o "peso" que nós somos, 4 anos depois. Não sabemos se faz sentido dedicar nosso tempo e energia a alguém que nos enxerga desta forma. A impressão que temos é que as nossas batalhas não são as mesmas, como ele dizia. E isso nos magoa.

Não achamos que todas as celebridades são obrigadas a se posicionar sobre tudo. Mas acreditamos que as pautas sobre identidade estão diretamente ligadas à saúde mental, base sobre a qual a banda construiu sua carreira. Tyler mencionou dados sobre depressão e suicídio, por exemplo, mas ele não olha mais fundo na questão. Há diversos estudos que relacionam esses males ao preconceito que pessoas negras e LGBTQ+ sofrem. É preciso enxergar os fãs.

Não estamos publicando esse texto como uma tentativa de convencer vocês a pensarem como nós. Assim como muitos defendem a opção de Tyler de não se pronunciar, esperamos que entendam a nossa perspectiva. Nossa equipe é e sempre foi diversa, com contribuição de pessoas de diferentes estados, grupos sociais, gêneros, sexualidade, religião e posicionamento político. Infelizmente, não nos sentimentos tão acolhidos pela banda como antigamente, e assim como diversos outros portais pelo mundo estamos tomando essa decisão.

O site, as redes sociais e o canal no YouTube continuarão no ar para quem quiser conferir o conteúdo que publicamos sobre a banda desde 2014.

Holler Box
%d blogueiros gostam disto: