Entrevista: Tyler Joseph fala sobre Rosie, Level of Concern e mais

Publicado por Kaline Linhares - Arquivada em 2020

Tradução de Paola Ramos e Janaína Monte

Em nova entrevista, feita virtualmente pelo aplicativo Zoom e publicada em 23 de abril, Tyler Joseph conversou com Lauren O’Neil, da rádio 101.1 WKQX, sobre a música “Level of Concern”, Crew Nation, sua filha Rosie e muito mais. Confira a tradução na íntegra abaixo.


Lauren O’Neil: Olá, Tyler!
Tyler Joseph: Oi, como está?

Lauren: Estou ótima, gostaria de ter sido informada que esse era um evento para usar traje de gala. Sinto que não estou vestida adequadamente.
Tyler: Sabe, essa é a minha primeira sessão de conferência pelo Zoom, então eu decidi me vestir bem para isso.

Lauren: Eu aprecio isso e você está ótimo! Obrigada por nos dar um hino de quarentena!
Tyler: Oh, então… Acho que isso aconteceu.

Lauren: Você pode falar da caridade vinculada à “Level Of Concern” e por que você se sentiu compelido a ajudar?
Tyler: Sim. Então, a Crew Nation é uma instituição de caridade que ajuda muitas pessoas que estão por trás da indústria da música, pessoas que ajudam a avançar o aspecto da música ao vivo, especificamente. E nós temos muitos membros na Crew, mas também todas as arenas e locais de show que visitamos em turnês… Todos esses lugares são tipo a força vital de algumas cidades, e eles possuem tantos funcionários e tantas pessoas legais lá. E agora esse é o momento onde está tudo em espera e, assim como muitas outras indústrias, há muita incerteza. E por fazer parte dessa indústria, sentimos que faria sentido fazer parceria com uma instituição que irá cuidar dessas pessoas.

Lauren: Isso é incrível, vocês também têm produtos no site que [os lucros] vão especificamente para a Crew Nation.
Tyler: Sim, nós temos moletons e outras coisas que se você comprar… Uau, legal!

Reação de Tyler ao ver a imagem de fundo de Lauren mudar, mostrando os produtos: “Oh, uau, legal.”

Lauren: Eles são assim.
Tyler: Sim, isso mesmo.

Lauren: Então, essa é a loja de produtos oficiais de twenty one pilots. Você também pode doar diretamente ou solicitar ajuda caso tenha sido afetado no site da Crew Nation. Vamos falar sobre o clipe, que é incrível porque saiu durante a quarentena e que é tão perfeito em sua essência. É como se ele fosse um documentário?
Tyler: Sim! É como se você estivesse assistindo a gente filmando um vídeo e fazendo uma música ao mesmo tempo. Isso fez sentido. Eu realmente gostei de ser capaz de voltar à forma como nós fazíamos os nossos vídeos, quando não tinha despesas ou equipe, apenas uma ideia simples… E ter a ajuda do nosso amigo Mark [Eshleman] com seu conhecimento sobre edição e sua habilidade de unir tudo. E foi isso, foi como sempre fizemos os vídeos antes da gravadora, você sabe, antes de ter dinheiro para gastar em um clipe. Então foi muito divertido ter uma desculpa para voltar àquele tempo.

Lauren: Entendi. Você e Josh são realmente vizinhos?
Tyler: [ri] Aquela é nossa nona casa. Então sim, em nossas nonas casas, somos vizinhos.

Lauren: Legal! Essa também é a primeira música que você compôs na guitarra.
Tyler: Sim.

Lauren: Quais são outras coisas que você está fazendo que são diferentes ou talvez esteja fazendo pela primeira vez?
Tyler: Na verdade, essa é a primeira música que o Josh gravou com a bateria de uma forma diferente, digo, em seu próprio estúdio, enviando em seguida. Realmente foi um vai e vem com o som da música, que foi algo novo para nós, porque nós sempre nos reunimos para a parte da bateria. Então isso se juntou comigo tentando tocar guitarra pela primeira vez e criou um novo som para a gente, pelo menos.

Lauren: A música também foi produzida novamente com o Paul [Meany], do Mutemath. Como vocês conseguiram trabalhar juntos? Foi por causa disso [pen drive]?
Tyler: Então, Paul faz parte da banda Mutemath, que é uma das bandas favoritas minha e do Josh. Nós fomos sortudos por ter feito uma turnê com eles também. E assim se iniciou um relacionamento natural com eles, especificamente com o Paul para mim. Eu admiro o jeito que ele faz as coisas por si só, durante toda a sua carreira, eles gravam suas próprias canções. Ele me ajudou de várias maneiras com algumas programações, principalmente com a bateria. Existe uma ciência para capturar bateria ao vivo, uma ciência para capturar a energia que o Josh expõe ao vivo, existem tantos microfones, tomadas e edições. Então, especificamente, nesse campo, Paul realmente interveio e me ensinou algumas coisas que ele aprendeu através de tentativas e erros dele, porque ele aprendeu sozinho também.

Lauren: Então… isso é o começo de uma nova era?
Tyler: Eu diria que isso é algo entre o final e o começo.

Lauren: Ok. Muitas pessoas querem saber o que aconteceu com Clancy…
Tyler: É… Eu acho que pareceu certo lançar uma música agora, especialmente com o conteúdo que a letra tem. Tentamos não nos comprometer com algo completamente novo, como toda a estética, porque nós queremos esperar para o que temos guardado.

Lauren: Claro. Falando de algo novo… alguém é papai, parabéns!
Tyler: Sim! É divertido, empolgante… É… Eu não sei. É assustador porque eu estive tão motivado em me aprimorar e me superar, seja procurando validação ou sucesso ou apenas trabalhando duro em algo e sentir que estou ficando bom nisso. Todas essas coisas que motivam uma pessoa, e de repente essa nova bolha de pele entra na sua vida e você percebe que isso supera todo o resto. Supera ao ponto de que se essa bolha de pele pedir para que você pare com tudo o que você está fazendo, você pararia, o que é assustador. Então… minha filha é uma motivação divertida, animadora, nova e assustadora para fazer o que eu faço. E é divertido acordar todos os dias.

Lauren: Amei isso, bebês são os melhores. Você já está fazendo alguma piada de pai?
Tyler: Eu tenho resistido, mas estou acumulando-as para quando eu voltar para o mundo para libertar sua graça.

Lauren: Você já tem tantas fotos da Ro dormindo quanto tem do Josh?
Tyler: Está chegando perto. São muitos anos de turnês, viajando em vans, compartilhando quartos de hotéis com outros caras, então foi uma piada por um tempo. Josh e eu tentávamos capturar um ao outro dormindo, o que é bobo, eu acho, mas mandar isso em um grupo com os caras que você estava viajando, é… eu não sei, se tornou uma pegadinha. Então, eu tenho muitas fotos do Josh dormindo, mas está chegando perto, porque eu gosto de olhar a minha filha quando ela está dormindo.

Lauren: Talvez as fotos sirvam para um álbum de fotografias de mesa¹ um dia?
Tyler: <ri> É.

Lauren: Você sabe que vocês têm os fãs mais incríveis e eu pensei que poderíamos fazer algumas perguntas rápidas enviadas por eles. São várias perguntas, então fique à vontade para passar, vamos apenas seguir para próxima e ter meio que sua primeira impressão, ok?
Tyler: Ok.

Lauren: Certo, o seu Pokemon preferido?
Tyler: Clefairy.

Lauren: Opiniões sobre fazer uma live em casa?
Tyler: Parece cansativo.

Lauren: Ok… bem, você parece cansado!
Tyler: É, então…

Lauren: Uma coisa que você aprendeu sobre si mesmo na quarentena?
Tyler: [pensa um pouco] Falta de autocontrole para ir dormir quando a minha esposa não está me fazendo ir.

Lauren: Entendi. Você tem cozinhado?
Tyler: Não, eu não sei cozinhar.

Lauren: Opiniões sobre Animal Crossing?
Tyler: Eu não joguei e sinto que estou perdendo alguma coisa, parece que seria algo do meu gosto.

Lauren: Sua coisa favorita em ver a Jenna ser mãe?
Tyler: De alguma forma, ela não fica cansada. Quando estou balançando a minha filha, eu penso diferente. Não que eu não ame a minha filha como a minha esposa ama, mas é uma conexão diferente. Se minha filha estiver chorando e eu precisar balançar ela, eu vou contar quantas vezes vou fazer isso. Certo, eu vou balançá-la 500 vezes e então se ela não estiver dormindo até lá… É como o meu cérebro sempre funcionou. Eu conto os meus passos quando corro, eu conto respirações, eu não sei… Sou meio estranho dessa forma. Mas a minha esposa está perpetuamente se entregando a isso, não importa o que aconteça. Eu sou um pouco mais… Não sei… Sou mais regimentado na maneira que estou amando minha filha, então é divertido assistir a minha esposa só viver isso, e meio que ver que ela nasceu para isso.

Lauren: Você canta as suas próprias músicas para Ro?
Tyler: Músicas em que estou trabalhando, sim.

Lauren: Então existem mais músicas?
Tyler: Sim, eu escrevi uma tonelada de pequenas músicas estranhas que canto para ela e depois penso “Oh, deixa eu pegar meu celular e gravar um arquivo de áudio rapidamente porque isso poderia realmente se transformar em algo”. A maioria é sem sentido. Mas sim, estou sempre trabalhando em coisas novas.

Lauren: Você poderia nos dar uma palhinha agora?
Tyler: Tem uma música, essa é uma canção de ninar rimada, mas eu mudei a letra. Teve uma vez que ela ficou acordada a noite toda e eu tentei dar uma folga para minha esposa. Então eu e minha filha assistimos Senhor dos Anéis juntos. Eu substituí a letra para uma canção de ninar, que dizia: “Bebê Rosie, ela é a minha garota MacGyver, de todas as pessoas, ela está no meu Top 5, logo atrás de Gimli, Legolas e Strider. Rosie, querida, sua mamãe é a número 1”.

Lauren: Isso é incrível!
Tyler: Sim, ela só me encara tipo “você é idiota”.

Lauren: É só uma coisa de bebê, não é pessoal. Certo, se você fosse um bolinho, de qual sabor seria?
Tyler: Existe um bolinho com sabor de burrito?

Lauren: Com certeza existe agora. Personagem favorito de Mario Kart?
Tyler: Yoshi é o meu personagem favorito, mas no Nintendo 64 Bowser é de longe o melhor personagem, por causa de seu peso, velocidade máxima e habilidade de não girar.

Lauren: Qual é o seu espírito animal?
Tyler: Acho que quando eu era criança diria guepardo, era algo entre isso e macaco-aranha.

Lauren: Quem é Michael e Julia²?
Tyler: Quando eu estava escrevendo essa música eu amei a ideia de apenas colocar nome de pessoas aleatórias, porque eu senti como se todo mundo tivesse um Michael e uma Julie em sua vida, pessoas que pensam que são especialistas sobre o que está acontecendo no mundo ou especialistas em relações pessoais. Eu particularmente tenho um amigo chamado Michael, mas acho que não estava pensando tanto nele especificamente como eu estava pensando em apenas escolher dois nomes que eu senti que seriam adequados para o que maioria das pessoas pensaria serem, não sei, pessoas irritantes.

Lauren: Espero que Michael e Julie estejam tendo uma boa quarentena. Qual é a proporção perfeita de macarrão com queijo e ketchup?
Tyler: Quanto melhor for o macarrão com queijo, menos ketchup você vai precisar. Então se você faz macarrão com queijo para mim e eu peço ketchup, esse é o primeiro sinal. Eu não deveria precisar do ketchup, mas se for do estilo porcaria caseira, eu vou adicionar ketchup.

Lauren: Qual era a sua matéria favorita na escola?
Tyler: Acho que nunca me perguntaram isso. Parece que essa seria o tipo de pergunta que fariam o tempo todo. Eu odiava matemática… Acho que eu diria história.

Lauren: Se o Josh fosse uma comida, qual comida ele seria?
Tyler: Caramba, essa é uma pergunta muito boa. Eu realmente não quero estragar isso. Ele seria um kiwi, só que kiwis tem um pouco de pelo. Mas esse cara, ele é simplesmente todo sem pelos. Então, um kiwi depilado.

Lauren: Ai, meu Deus! #KiwiDepilado. Ok, apenas mais algumas perguntas. O que foi mais difícil: escolher o nome da Ro ou do Ned?
Tyler: Ned foi bem mais fácil. Eu acho que quando você está escolhendo o nome do seu filho… A forma como expliquei para as pessoas é que houve muita pressão nisso. Antes de ela nascer, você se pergunta se é o nome certo, se vão tirar sarro dela por algum motivo. Há muita pressão em dar um nome a alguém. Mas quando ela nasceu foi tipo “Ah, esse é o nome dela. É perfeito, combina perfeitamente.” E é por isso que quando você pergunta aos seus pais ou pessoas mais velhas como escolheram o nome do filho e se não sentiram como se houvesse alguma pressão, sempre respondem dizendo que não, foi fácil. Porque eles se lembram como foi ver que aquele nome combina com aquela pessoa e isso faz sentido. Eles meio que esquecem que há, não sei, uma preocupação natural de que o nome não vai funcionar. Mas tudo isso se resolve quando você vê a criança.

Lauren: Qual o seu bias do BTS?³
Tyler: Josh e eu… O primeiro lugar em que tocamos fora do nosso país foi na Ásia. E fomos ao Japão, Coreia e até mesmo a China. Nós sempre tivemos uma afinidade com a cultura deles. Isso foi antes disso tudo começar a acontecer e ver isso acontecer é sensacional para nós.

Lauren: Eu sei que você tem que ir. Muito obrigada por passar um tempo conosco. Se você quiser finalizar com alguma mensagem direta ao Clique, esse é seu momento.
Tyler: Obviamente mantenham-se seguros. Eu diria que todo mundo está passando por uma versão diferente disso. É mais fácil aplicar nossa experiência a tudo isso e pensar que todos estão passando pela mesma coisa. Mas algumas pessoas têm um quintal e outras não e isso pode ser uma diferença. Quando você está preso em uma única sala, a ansiedade começa a se acumular. Então, seja paciente quando todos nós começarmos a tomar decisões sobre qual é a melhor forma de voltar para o mundo, porque todos estão passando por coisas diferentes. Quanto mais devagar nos movermos e quanto mais compreensivos formos sobre as diferenças de todos, teremos uma melhor chance de sair disso sem perdermos um de nós.

Lauren: Isso foi incrível, muito obrigada. Deem stream “Level of Concern” porque ela é como uma coberta quentinha da quarentena. Mal podemos esperar para ouvir o novo material. Muito amor para você e toda sua família e esperamos te ver em breve.
Tyler: Muito obrigado por me receber. Até mais.

¹coffe table book é um álbum de fotos que costuma ficar na mesa de café e serve para entreter convidados.
²o certo é Julie, não Julia.
³bias é como fãs de kpop se referem ao seu integrante favorito de um grupo, ex.: “Yoongi é meu bias do BTS”.


Achamos incrível como Tyler simplesmente fingiu que não ouviu a pergunta sobre Clancy e mudou de assunto. Nem ligamos, não queríamos saber mesmo.

Mas falando sério, Tyler cantando a musiquinha que criou para a Ro é melhor coisa dessa entrevista. 💛

Acompanhe a MKBR nas redes sociais e não perca as novidades!

|-/

Comunicado

Por decisão unânime, a equipe da Mutant Kids Brasil decidiu dar uma pausa indeterminada nas atividades do portal.

No dia 02 de setembro de 2020, Tyler Joseph demonstrou indiferença a causas sociais que são importantes para nós e por isso não nos sentimos mais confortáveis em continuar o nosso trabalho de cobrir a banda twenty one pilots.

Depois de meses recebendo mensagens de fãs pedindo que ele se posicionasse em suas plataformas digitais em relação a tópicos importantes, como o movimento Vidas Negras Importam nos EUA e a crescente onda de homofobia na Europa, Tyler publicou uma foto usando tênis de plataforma (salto) como piada, dizendo que estava sim usando sua plataforma.

Horas depois de causar controvérsia, ele começou a falar sobre saúde mental, dizendo que é essa a sua causa, e que ele já carrega peso demais, mas que admira quem batalha por outras causas.

Não é a primeira vez que ele diz algo assim. Em 2016, quando o casamento homoafetivo foi enfim legalizado nos EUA (país onde Tyler mora), ele ficou em silêncio. Ao ser perguntado sobre o que ele achava, Tyler publicou uma mensagem dizendo que não havia postado sobre isso porque "qualquer outra causa, não importa o quão nobre seja, torna-se um peso grande demais para carregar". Ele pediu paciência até que um dia ele "consiga carregar mais peso".

Isso nos leva a concluir que Tyler ainda não aprendeu a carregar o "peso" que nós somos, 4 anos depois. Não sabemos se faz sentido dedicar nosso tempo e energia a alguém que nos enxerga desta forma. A impressão que temos é que as nossas batalhas não são as mesmas, como ele dizia. E isso nos magoa.

Não achamos que todas as celebridades são obrigadas a se posicionar sobre tudo. Mas acreditamos que as pautas sobre identidade estão diretamente ligadas à saúde mental, base sobre a qual a banda construiu sua carreira. Tyler mencionou dados sobre depressão e suicídio, por exemplo, mas ele não olha mais fundo na questão. Há diversos estudos que relacionam esses males ao preconceito que pessoas negras e LGBTQ+ sofrem. É preciso enxergar os fãs.

Não estamos publicando esse texto como uma tentativa de convencer vocês a pensarem como nós. Assim como muitos defendem a opção de Tyler de não se pronunciar, esperamos que entendam a nossa perspectiva. Nossa equipe é e sempre foi diversa, com contribuição de pessoas de diferentes estados, grupos sociais, gêneros, sexualidade, religião e posicionamento político. Infelizmente, não nos sentimentos tão acolhidos pela banda como antigamente, e assim como diversos outros portais pelo mundo estamos tomando essa decisão.

O site, as redes sociais e o canal no YouTube continuarão no ar para quem quiser conferir o conteúdo que publicamos sobre a banda desde 2014.

Holler Box
%d blogueiros gostam disto: